Ciclo de commodities pode durar mais que o previsto, segundo gestores

No evento organizado pela XP, os gestores Sylvio Castro, CIO da Grimper Capital, e Marcio Fontes, da ASA Investments, além do Tony Volpon, estrategista-chefe da Wealth High Governance (WHG) e ex-diretor do Banco Central, participaram do painel sobre commodities para falarem sobre suas perspectivas.

Fontes acredita que há empresas descontadas, inclusive disse ver possibilidade de comprar a própria commodity em si, como no caso do petróleo e cobre, mas pede cautela. “Há miniciclos que podem te jogar pra fora, caso o investidor vá com muita fome […]. Tem que ficar atento ao timing [momento certo] por causa das oscilações.”

Como podemos ver no gráfico, os superciclos ocorrem de maneira brusca com crescimento da economia, e em mesma intensidade caem quando chegam ao final. Portanto, é necessário tomar cuidado, pois caso o ciclo esteja chegando no fim, o investidor pode amargar em grande prejuízo.

Castro contou que estava com posições compradas em crédito de carbono, cobre e em empresas atreladas a commodities agrícolas, sem mencionar nomes. “Quando olhamos as empresas produtoras de commodities, temos a impressão que elas negociam a múltiplos baratos, mas é difícil ter certeza se o múltiplo vai mudar, porque a produção envolve poluir e o mundo deve pagar menos prêmio por isso”, afirmou.

A agenda verde, por outro lado, pode ter um impacto positivo para prazos mais distantes, segundo Volpon. Ele afirmou que a sociedade vai precisar investir em commodities para renovar toda a matriz energética e industrial disponível hoje. E indicou que a conjunção de uma demanda mais alta por commodities agrícolas, com a falta de oferta e uma agenda mais verde devem levar a um período de preços mais altos. O gestor da ASA investiment concordou.

Com isso, Volpon assinala que o país está em uma posição favorável para usufruir de um eventual superciclo de commodities, embora precise fazer sua parte. “O superciclo pode ajudar, mas precisamos fazer o dever de casa para ajudar.”

Deixe um comentário